Essa sentença se torna verdadeira no mercado brasileiro, que em sua maioria possui um conhecimento muito superficial desta atividade, já que acaba deixando a otimização como último recurso, após planejar, desenhar e desenvolver um site ou e-commerce.

SEO não é uma atividade meramente tecnológica. Ela contém tecnologia pelo fato de lidar com internet, websites e robôs de mecanismos de busca. Para isso se utiliza um conhecimento de tecnologia para correto uso de protocolos e semântica.

SEO, otimização para mecanismos de busca, é uma atividade de marketing, aplicado a uma mídia bem específica que é um mecanismo de busca (para simplificar, dado o share de mercado brasileiro, vamos falar diretamente de Google). O termo “mídia” para SEO às vezes é mal visto, já que o resultado orgânico do Google não depende de investimento/verba, como normalmente uma mídia funciona, mas é sim uma mídia pois se trata de um meio (mídia, do latim media, plural de medium, que significa meio) de comunicação e informação.

Não é tão difícil encontrar banners de sites e e-commerce com as UTMs, parâmetros de monitoramento de mídia, nos seus links, ou ainda, sem nenhum monitoramento, o que é um desperdício.

Os parâmetros UTM (utm_source, utm_medium, utm_campaign, utm_content, utm_term) são colocados nas URLs de e-mail marketing, redes sociais, redes de publicidade ou qualquer outra fonte externa de tráfego.

Banners não são fontes externas de tráfego, portanto, não devem utilizar UTMs. Um banner é um elemento dentro do site, e para monitorar interação com elementos das páginas utiliza-se Eventos (Event tracking). O monitoramento por evento requer um código extra (como veremos em detalhe a seguir) e seus dados são encontrados no relatório “Comportamento > Eventos”. Esta categorização de relatórios dentro do GA já deixa claro a diferente natureza destas funcionalidades: Eventos dentro de “Comportamento”, pois se trata do comportamento dos usuários dentro das páginas, e monitoramento de mídia (UTMs) dentro de “Aquisição”, pois monitora as fontes de aquisição de tráfego.

Já falamos bastante sobre migração de plataforma e-commerce, quais os riscos e cuidados a tomar. Feito todo esse esforço, existem algumas métricas que devemos monitorar para atestar se a migração foi bem sucedida e como está o desempenho do site após o lançamento da nova plataforma, agora com novas funcionalidades e (talvez) com os alguns requisitos de SEO implementados durante o projeto de migração.

Quando o assunto é migração de plataforma, encontramos uma vasta quantidade de fontes que listam todas as precauções necessárias para reduzir o impacto nos resultados após o lançamento do novo site. Estas informações são repletas de detalhes técnicos e, normalmente, voltados para o entendimento e execução do profissional de SEO.

Entenda agora, quais as precauções a serem tomadas para não perder seu resultado orgânico após a migração e por que é importante que a consultoria de SEO atue desde o início do projeto de migração.

Neste processo, a experiência de um consultor de SEO é fundamental, mas ele não traz o resultado sozinho. O cliente, responsável pela loja e contratador do serviço, tem papel fundamental neste processo por ser o maior conhecedor do negócio e da estrutura atual da loja. Por ser o detentor deste conhecimento, deve trabalhar em conjunto com o consultor de SEO, que é quem poderá orientar sobre os problemas comuns neste processo e sugerir soluções eficazes. Para que o cliente possa atuar com propriedade no processo de migração, ele precisa conhecer as etapas deste processo, a real necessidade de cada tarefa e qual o papel dele na execução do projeto e manutenção dos seus resultados ao final da migração.

Já presenciei vários casos de plataformas, SaaS ou instaladas em servidor próprio, em que a instalação de novas tags de serviços era uma limitação do sistema, exigia um processo burocrático  ou ainda caía em uma longa fila de implementações ordenada por prioridade. Estes são cenários bastante comuns, o que é complicado em se tratando de tags de monitoramento ou de sistemas de publicidade, onde normalmente são testados, editados, ou seja, exige disponibilidade para mexer e alterar algumas vezes até deixar tudo funcionando corretamente.

O Google Tag Manager é mais uma inovação do Google que pretende facilitar estes processos. Ele faz com que seja necessário instalar apenas uma tag, a do Tag Manager. Este possui uma interface bastante amigável para que qualquer pessoa possa gerenciar todas as tags que precisa instalar no site sem ter que mexer no código das páginas para isso. Tags de serviços do Google como Google Analytics, Adwords, Remarketing do Adwords, Double Click, entre outros, já estão pré-configurados na interface do Google Tag Manager, facilitando muito a instalação destes.